Baleias Fossilizadas.

Neste programa será dada a continuação de um dos temas anteriores intrigante que paleontólogos tentam decifrar que é a quantidade de fosseis de baleias no deserto, e por que estão tão bem preservadas? O que deve ter acontecido para que elas tenham sido fossilizadas em massa?

Seguindo a mesma linha de raciocino dos programas anteriores o origens apresenta evidencias de baleias que entraram em processo de fossilização de forma rápida e em grande massa, são respectivamente apresentados dois fatores de morte para esses animais, uma delas e é a morte por inalação de fumaça vulcânica (pois as baleias precisam ir a terra para respirar) ou por algas tóxicas, são hipóteses consideradas para uma possível explicação da morte em massa.

No decorrer da apresentação é mostrada a forma de fossilização da qual já trouxe aqui no blog e algumas informações pertinentes a Paleontologia é a teoria do soterramento rápido provocado pelo diluvio.


 Neste processo entendemos que os fosseis são fortes as evidencias de um grande acontecimento para a humanidade. Que possamos atribuir talvez a um diluvio tal qual a bíblia nos apresenta ou a outras teorias e catástrofes naturais como um vulcão, seja qual for à teoria temos sempre que nos fortalecer nos caminhos e na palavra de Deus! Espero que você assim como eu, faça um bom uso dos ensinamentos e da palavra do Senhor! Amem! 

Clique na imagem para ser direcionado ao vídeo.





Comente! 

Resenha: Em casa para o Natal #11



Beth Prince sempre adorou contos de fadas e acredita que está prestes a viver um final feliz - tem o emprego dos sonhos em um charmoso cinema independente e um namorado maravilhoso chamado Aiden. Ela faz parte de um grupo privilegiado de pessoas que trabalha com o que ama, e o entusiasmo pelos filmes intensifica a busca por seu próprio 'felizes para sempre'. Só há um problema - nenhum homem jamais declarou seu amor por ela. E, apesar de acreditar que Aiden é o príncipe encantado, a protagonista desconfia de que ele tem medo de dizer 'eu amo você'. Desesperada para escutar essas palavras mágicas pela primeira vez, ela resolve assumir as rédeas do destino - e acaba se arrependendo.
         Avaliação: Image and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPic



Então Beth é uma típica romântica compulsiva por histórias de romances e contos fictícios de felizes para sempre, até que um dia o seu feliz para sempre se torna mais distante, praticamente escorre pelos seus dedos quando seu namorado Aiden termina o namoro, Beth se ver perdida e para completar a gota d’agua que faltava no copo, o lugar onde ela trabalha está preste a fechar as portas para sempre!

Beth conhece Matt o percursor do fechamento do Picturebox (um cinema a moda antiga localizado em Brighton, na Inglaterra). Beth e Matt começam a se envolver depois de muita confusão armada por esses dois.

O livro é um típico romance previsível para adolescente apaixonados, não que isso seja ruim (não pelo menos para quem gosta, como eu!) Mas para quem quer algo mais concreto fuja desse livro! A narrativa é boa, ao mesmo tempo que é vagarosa ela é enérgica, em certos momentos os outros personagens são totalmente descartáveis, a personalidade de Beth é interessante mesclando o ingênuo com sagas, mas sem muitas pretensões, Matt varia entre um galã com coração e cérebro e meio sem atitude na vida (o livro deixa isso bem claro)!

Uma coisa que não gostei no livro é que eles se apaixonam muito rápido depois de sair de relacionamentos longos quase que instantaneamente (para Matt até que não porque ele estava extremamente cansado da sua namorada Bipolar Alice, mas para Beth que estava pensando em si declarar para o namorado foi meio estranho) até para um livro assim é chatinho. Algo que notei foi que a personagem Beth desde criança é o tipo de garota desprezada, primeiro pelos pais depois por ex – namorados e ainda sofre uma terrível perseguição (ou o famoso bullying) do seu colega de trabalho Carl (o que para mim foi péssimo ler esses momentos, muito agoniante, mas alarmante e um aviso do quanto essa pratica pode ser agressiva).


Para quem quer um livro divertido e de leitura leve e agradável (tirando totalmente a parte do bullying) e claro previsível. Em casa para o Natal é a pedida da vez.

Se gostou, comente!


Critica: Animais Fantásticos e onde habitam #12

Imagem da Internet









Um excêntrico magizoologista carrega uma maleta cheia de animais mágicos coletados durante suas viagens pelo mundo. As criaturas acabam saindo de sua mala em Nova York, e agora ele precisa usar suas habilidades para capturá-las.


Avaliação: Image and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPic





O universo Rowling nunca foi tão diferenciado e fascinante, criaturas belas e fantástica somam – se a cenários de lutas, poder, amor e muito mistério que até o último momento não é revelado fazendo deste um intrigante emaranhado de aventuras por vim. Estou estonteantemente  encantada com esse longa, que não  lembra muito os últimos conflitos Da saga Harry parece até um outro filme totalmente a parte do bruxo.

Passado nos anos 30 em Nova York (sendo oposto de Oxford em Londres) como se esperava, para aqueles que são amantes do bruxinho Harry não se decepciona com Newt Scamander (Eddie Redmayne).  J. K. Rowling

Imagem da Internet


A sensação que tive foi de ver duas histórias em um único filme, o drama de Newt para encontrar suas criaturas em plena Nova York e a busca implacável de Percival Graves (Colin Farrell) para encontrar uma criança poderosa. Nesse jogo de pique-esconde a história vai sendo revelada aos poucos, notamos o amor infinito de Newt pelos animais (amor esse que o faz ir à Nova York por uma de suas criaturas) uma charmosa cidade cinza com seus habitantes no - maj (o que para os ingleses seriam os trouxas).

E o que dizer da atuação de Eddie Redmayne, parece que a qualquer momento ele vai se quebrar ou ter um ataque de timidez súbita (e isso não é ruim, pois nos faz com que paremos e analisemos seu personagem com olhos doces) e é isso que ele é um homem doce e misterioso, que vai sendo montado durante o filme.

Sinto muito, mas terei que falar um pouco sobre cada personagem, pois para mim todos eles são extremamente importantes na trama, principalmente o nosso já querido Jacob Kowalski (Dan Fogler) o nosso principal no- maj que despenca nesse mundo, logo ele aspirante a dono de um sonho familiar de abrir uma padaria, encontra em Newt e sua trupe um mundo que ele descreve da forma mais linda: “Sabe como sei que não estou sonhando? Eu jamais teria imaginação para isso”. Dan consegue destacar o novo e o sublime de forma simples e bem-humorada nos fazendo aclamar seu personagem que já chama a atenção nas primeiras cenas.

Imagem da internet - autor desconhecido

As irmãs Tina e Queenie trazem um equilíbrio moroso, mas importante no contexto, Tina é mais expressiva do que a irmã e mais pé no chão também, Queenie é mais delicada e sagaz ao mesmo tempo (e faz um belo par romântico com Jacob).

Agora o lado sombrio da força composto por Percival Graves (Colin Farrell) já mencionado acima e Mary Lou (Samantha Morton) líder de um movimento digamos anti-bruxo e Credence (Ezra Miller) filho adotivo de Mary (esse em questão que tem um papel de reviravolta na trama) com esse trio as cenas são bem pesadas e sombrias lembrando muito qualquer filme que tenha por tema o Portengainst (por esse motivo a sensação de dois filmes em um) mais nada que comprometa a trama. Ainda temos a participação breve de Johnny Depp como o Gellert Grindelwald (que não tem nada revelado) Jon Voight, como dono de um iminente jornal e Zoë Kravitz como Leta (que deu a entender ser um affer de Newt ou algo do tipo).

O filme tem uma graciosidade e leveza própria seja no figurino, nas falas brandas e leves e até mesmo nas criaturas dentro de uma mala que projeta ambientes, que aprendizagem é assistir Animais Fantásticos, seja pelo breve humor, aventura e demonstrações grandiosas de muita magia!


Em breve falarei mais sobre os animais fantásticos que habitam dentro da mala de Newt. Aguardem! 

Se gostou, comente!

A Grande Catástrofe e os fosseis.

O programa Origens retoma o assunto abordado no anterior de forma mais ampla, espero que gostem!

Segundo o Mestre em Arqueologia e Doutor em história Antiga, Ruben Aguiar “A palavra fóssil deriva do latim fossilis, que significa desenterrado ou tirado da terra. Georges Cuvier foi um dos primeiros a disseminar que esses restos ou vestígios eram animais e plantas”. Estes restos (somatofóssil) são as partes de um organismo, ou seja, um indivíduo (osso, dente, carapaça, escamas entre outros) e os vestígios (iconofóssil) são indícios de atividades do individuo (pegadas, pistas...). Em grande maioria são preservadas as partes mais duras, e as partes moles em alguns casos com mais dificuldade do que as primeiras.

Hoje são os inúmeros achados de fosseis que nos impressionam, como os Dinossauros que foram animais fantásticos, mas existem outros como descrito por Antonio Cremades, PHD em Ciências Biológicas e Antropologia Física: Tigre-dente-de-sabre, os Mamutes e o Megatério (preguiça Gigante). Marcos Natal de Souza, Doutor em Geologia afirma que “As condições de sobrevivência naqueles tempos eram melhores, mas em todas as eras foi e são relatados grandes e pequenos animais”. Como os elefantes, as girafas, os hipopótamos, os canarinhos, os coalas entre outros tantos existentes.


A fossilização é um fenômeno contrário ao natural, existindo diferentes formas como a incrustação, permineração, mumificação, recristalização, congelamento, carbonificação, âmbar, moldagem e substituição, nesta ultima o Químico e Biólogo Tarcísio Vieira expõe que “Ao invés da decomposição do indivíduo temos a substituição do cálcio (que em seres vivos, vão sendo substituído diariamente, ou seja, a capacidade de reposição desse mineral) pelo silício”, deixando de ter cálcio para ter silício formando o chamado fóssil.

Imagem retiradas do Programa Origens da TV Novo Tempo

Tarcísio ainda afirma que essa fossilização também só é possível com a quantidade certa de elementos, um pouco mais aqui ou ali e não teremos o fóssil. O soterramento rápido é um dos fatores mais importantes para a formação desses fosseis que são em sua maioria elencados por catástrofes, no caso exposto o dilúvio.



Imagem retiradas do Programa Origens da TV Novo Tempo

Todos esses eventos são datados e expostos para que possamos entender o passado com outra perspectiva, analisando o modo como foram formados  e guardados através dos anos para que hoje se comprove a existência de um Deus único e maravilhoso.

Clique na imagem para assistir ao programa.


Imagem do Youtube do Programa Origens da TV Novo Tempo


Se gostou, comente! 

*Citações diretas do programa.

Dia das Mães + Especial Sete minutos depois da meia-noite

Imagem da internet

Olá boa noite a todos!

Hoje em pleno dia das Mães, coincidentemente assisti ao um filme maravilhoso, vou apenas disponibilizar o nome e a imagem e um breve resuminho, o longa conta a história de Conor um garoto de 13 anos que não tem muitos amigos e está passando por problemas, pois sua mãe tem câncer seu pai é ausente e sua avó é uma pessoa arrogante. Em breve tem resenha. Se você ainda não demonstrou seu amor a sua mãe neste dia, este filme lhe dará um grande incentivo! Ah... ele é baseado em um livro.

Feliz dia das Mães a todas as mamães do Mundo.

Até breve!

A Grande Catástrofe


O programa Origens está em sua segunda temporada abordando temas novos de forma mais ampla, espero que gostem!

A vida diária de um paleontólogo (profissional que estuda os fosseis de origem animal (paleozoologia), vegetal (paleobotânica) e algumas estruturas (paleoicnologia), assim como os dinossauros, mas não, somente eles para saber mais clique aqui) vai alem do trabalho em campo, é feito todo um planejamento e estudo antes mesmo de se engajar na busca por nossa história, outras áreas da ciência e até mesmo humanas se somam ao encontro do desconhecido promovendo esse belo trabalho como a geologia.

No trabalho em campo é estudado as camadas sedimentares (rochas clássica, rochas químicas e rochas orgânicas) que entenderemos melhor nos próximos programas. O fascinante é a retirada do que é rochas e do que é osso e, obviamente presenciar a natureza relevando o passado como um presente, no documentário em questão o esqueleto de uma baleia em pleno deserto. A informação, as amostras e as fotos são meios de datar e dizer mais a respeito do que se está cavando.

Quanto mais são levantados os dados e informações maiores serão as chances de serem aceitas, em muitos casos as amostras e fosseis são revelados de forma simples e natural.

Se quiser saber mais um pouco sobre a grande catástrofe (o dilúvio) assista aos próximos programas!




           Se gostou comente!